SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Crivella reaproxima-se de Garotinho

Isolado pela falta de coligações, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que tenta se reeleger, volta a se aproximar do ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ). Esta semana, ganhou destaque na internet, um vídeo do senador elogiando o candidato do PR a governador, Fernando Peregrino.
Em Ibope de 1º de junho, Crivella tinha 40% das intenções de voto, contra 37% do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM). Lindberg Farias (PT), ex-prefeito de Nova Iguaçu, tinha 13% e Jorge Picciani (PMDB), presidente da Alerj, 10%. A liderança absoluta do senador vinha se mantendo desde o início do ano. No entanto, na pesquisa Ibope divulgada no dia 30 de julho, Maia e Crivella passaram a empatar nas intenções de votos com 37% cada um. Já o candidato do PT cresceu para 17% enquanto o do PMDB ficou com 11%.

O professor de Sociologia e Política da PUC-RJ, Ricardo Ismael, lembra que Crivella já enfrentou situação similar na eleição municipal de 2004, quando largou disparado na frente e perdeu na reta final também para Cesar Maia. Para Ismael, o isolamento do senador ficará patente no horário eleitoral. "Não ter tempo na TV traz uma questão maior do que a pouca exposição. O candidato também não consegue se defender de alguns ataques", explica. A aproximação com o clã Garotinho, segundo o professor, serviria para lhe garantir votos no Norte e Noroeste do Estado, reduto eleitoral da família, já que a força de Cesar Maia está na capital, que governou por três mandatos.

"Seu maior opositor, no entanto, é Lindberg, que agora cresce nas pesquisas", diz. O ex-prefeito de Nova Iguaçu, no entanto, também tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assim como Crivella, e se beneficia da máquina do governador Sérgio Cabral, já que faz parte da coligação do PMDB no Estado. O senador também tem o apoio declarado do presidente e está sempre nos atos que Lula ou Dilma fazem no Rio. Consultado sobre a aproximação, Crivella confirma que fez a gravação há duas semanas. Mas nega que o objetivo seja se aproximar do PR. Mas o vídeo não deixa dúvidas: "Olha aqui, quero dizer que o candidato Fernando Peregrino é um candidato tem toda legitimidade para disputar essa eleição. Eu não posso declarar o voto ao Fernando, porque o meu partido liberou o voto dos candidatos e nós não temos aliança concreta com o partido dele. Mas quero recomendar ao povo do Rio que olhe os trabalhos prestados, o currículo e que olhe, sobretudo, a ética e a vida ilibada... É uma pessoa que a gente vota com orgulho, ou melhor, vota sem vergonha."

No PR, o secretário geral do partido, Adroaldo Peixoto Garani, diz que a declaração é muito importante e que "todos estão agradecidos pelo depoimento do senador, candidato líder das pesquisas". Questionado se a gravação significa a retomada de uma aproximação, Adroaldo não nega. "Política é muito dinâmica. Temos que ver cada coisa no seu momento, no seu cenário. Ele nos honra e nos alegra", filosofa.
Esta não é a primeira vez que este namoro acontece. Em eventos de Dilma no Rio, era comum ver Crivella conversando com a vereadora Clarissa Garotinho, filha do ex-governador. Quando Garotinho ainda estava indeciso se sairia candidato a governo do Estado, as negociações esquentaram. O ex-governador queria Crivella na sua chapa e chegou a dizer que os candidatos de seu partido abririam mão da candidatura para recebê-lo na chapa. Mas Crivella não aceitou a proposta e este foi um dos motivos que levou Garotinho a concorrer para deputado federal.
 

12/08/2010

Fontes de Notícias :