SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Witzel quer Ana Paula Vescovi para comandar secretaria do Rio

O governador eleito do Rio, Wilson Witzel, já escolheu um nome para a Secretaria da Fazenda. Ele quer a economista Ana Paula Vescovi, ex-secretária do Tesouro e atual secretária-executiva do Ministério da Fazenda do governo Michel Temer (MDB).

O ex-juiz inclusive ligou na segunda-feira para o governador Paulo Hartung, do Espírio Santo, estado em que Vescovi foi secretária e implementou um ajuste fiscal que colocou as contas no lugar. Um dos obstáculos, no entanto, seria que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, também tem planos de manter a secretária-executiva em algum posto de seu governo.

O nome cogitado anteriormente por Witzel para a secretaria, o do ex-presidente do BNDES Paulo Rabelo de Castro, não foi descartado para integrar a equipe. O governador eleito já ofereceu a ele participação na sua administração, não necessariamente num posto tão técnico quanto a Fazenda.

Depois de analisar as contas do estado mais detalhadamente na manhã desta terça-feira, em reunião com o governador Luiz Fernando Pezão, Witzel também reavaliou a necessidade de fazer uma renegociação do ajuste fiscal. A proposta defendida na campanha, de alongar o prazo de pagamento para até 100 anos, foi descartada.

Conhecida pelo seu estilo 'linha dura', Ana Paula Vescovi era a Secretária do Tesouro Nacional na época da assinatura do plano de recuperação fiscal do Rio. E foi também uma das responsáveis pela demora da assinatura do acordo, já que o órgão federal questionava de onde sairiam os R$ 4 bilhões necessários para fechar as contas do estado.

Ana Paula comandou a secretaria de Fazenda capixaba até 2016 e também conduziu uma crise interna na Caixa Econômica Federal, onde preside o Conselho de Administração. Ela também é conhecida por agradar ao mercado financeiro.

No Espírito Santo, ela implementou um ajuste fiscal duro, que deixou o estado com as contas em ordem, cuja economia também é dependente do petróleo. O Espírito Santo está no espectro oposto ao Rio de Janeiro, que enfrenta hoje a maior crise fiscal de sua história. O estado conseguiu equilibrar suas finanças nos últimos anos graças a medidas duras: cortes de cargos comissionados, suspensão de reajustes salariais e revisão de benefícios tributários.

A comissão de transição no novo governador de Wilson Witzel será coordenada pelo empresário José Luís Cardoso Zamith. A equipe foi instituída nesta terça-feira, a partir de um decreto do governador Luiz Fernando Pezão publicado no Diário Oficial. Além de Zamith, farão parte do grupo o secretário da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, Sergio Pimentel, que será o presidente da comissão de transição; o titular da Fazenda e Planejamento, Luiz Claudio Gomes; e de Governo, Affonso Monnerat.

Fontes de Notícias :