SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Vice, Dornelles volta a assumir governo do estado

Presidente da Alerj diz que prisão de Pezão não atrapalhará votações previstas até o fim do ano

Com a prisão do governador Luiz Fernando Pezão (MDB) , quem assume o comando do Palácio Guanabara é o vice, Francisco Dornelles (PP), de 83 anos. Essa é a segunda vez que Dornelles substituirá Pezão no decorrer do mandato. A outra ocorreu em março de 2016, quando Pezão entrou com pedido de licença médica para se tratar de um câncer (linfoma não Hodgkin). Naquela época, no auge da crise financeira do estado, Dornelles disse ao GLOBO:

- Para mim, foi um abacaxi (assumir o governo). Eu já tinha decidido encerrar a minha minha carreira política. Não quis concorrer ao Senado e só aceitei disputar a vice porque achei que seria como o Marco Maciel (vice-presidente de Fernando Henrique Cardoso), só assumindo de vez em quando. De repente, caiu essa bomba nas minhas mãos.

Foi durante o período de Dornelles à frente do Palácio Guanabara que o governo estadual decretou o Estado de Calamidade Pública, que abriu caminho para socorro financeiro do governo federal. Ele voltou a assumir o governo do estado em julho de 2017, em outra licença médica tirada por Pezão. Além de deputado federal e senador, Dornelles já foi ministro da Fazenda no governo do ex-presidente José Sarney e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Presidente em exercício da Assembleia Legislativa, André Ceciliano (PT) afirma que a prisão do governador Pezão não vai atrapalhar o andamento de importantes votações previstas até o fim do ano.

- No momento de crise é que a gente precisa trabalhar ainda mais. O cronograma da Alerj até o fim de dezembro está mantido. Vamos votar o Orçamento, a prorrogação do estado de calamidade, os vetos e o Fundo Estadual de Combate à Pobreza, que pode garantir R$ 5,079 bilhões ao estado. 

Sobre a prisão do governador Pezão, Ceciliano comentou: 

- É lamentável o acontecido. A gente espera que as investigações ocorram, mas que se dê o amplo direito de defesa.

Ceciliano assumiu o comando da Alerj após a prisão de Jorge Picciani (MDB), presidente efetivo da Casa, pela Lava Jato em novembro de 2017. Paulo Melo (MDB), que também presidiu a Alerj, e o deputado Edson Albertassi (MDB) também estão detidos desde a ocasião.

Fontes de Notícias :