SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Sem lista tríplice, Pezão indica aliado para TCE

Quem encontra com Edson Albertassi pelos corredores da Alerj tem a imagem de um político de fala mansa, que beira à timidez. É do tipo que transita com facilidade pelos gabinetes, onde é chamado de “mineirinho” — por causa de seu sotaque do interior fluminense. Mas as aparências enganam. Ao mesmo tempo em que é considerado o “gente boa” da Casa, é também apontado como um dos mais ardilosos. Bom articulador, está em seu quinto mandato. Em todos, esteve ao lado do poder. Albertassi foi indicado na terça-feira para o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) pelo governador Luiz Fernando Pezão.

Albertassi é considerado um trator nos bastidores, habilidade que o fez líder dos governos Cabral e Pezão. Na função, comandou as tropas de choques dos dois peemedebistas. Experiência para isso não faltou. Foi aliado fiel do casal de ex-governadores Garotinho e Rosinha. É habilidoso com os números e conhece o funcionamento da Assembleia.

Atualmente, faz parte de duas das mais importantes comissões da Casa: a de Constituição e Justiça, a qual preside, e a de Orçamento. Também já foi vice-presidente da Alerj. Os colegas afirmam que ele tem influência para nomear cargos, em especial no segundo escalão do governo.

O deputado é braço-direito do presidente da Alerj, Jorge Picciani. (PMDB). Mas nem sempre vive em lua de mel com o cacique. Há quem diga que os dois enfrentaram divergências no período que Picciani esteve afastado da presidência por problemas de saúde. O motivo seria a possível indicação de outro nome para o TCE. Albertassi é, dentro do partido, mais ligado a Pezão.

Albertassi se elegeu, pela primeira vez, vereador de Volta Redonda em 1996. Tem reduto no Sul Fluminense, onde sua família, tradicional, é dona de uma rádio evangélica. Está entre os campeões de votos da região, com forte apelo entre os evangélicos. Em 2014, declarou bens que somavam R$ 1,1 milhão. Em 2006, o valor era de R$ 490 mil. Disse, em 2015 ao GLOBO, que o patrimônio era compatível com os rendimentos.

 

08/11/2017

Fontes de Notícias :