SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

No Dia Mundial do Consumidor, problemas com cobrança são a principal queixa dos brasileiros

Cobrança indevida está no topo dos motivos de reclamação dos brasileiros aos Procons em 2018. Cerca de 40% dos consumidores que recorreram aos órgãos de defesa do consumidor relataram problemas com o tema, segundo o ranking divulgado hoje, Dia Mundial do Consumidor, pelo Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) — que reúne dados de 27 Procons do país. Na lista das queixas mais frequentes estão ainda contratos (16,7%), defeito ou má qualidade de produtos ou serviços ( 12,4%), SAC (9,8%).

— Analisando as reclamações mais frequentes, chegamos a conclusão que, na maioria das vezes, a questão é de informação ou transparência, mesmo nos casos em que as queixas são a respeito de cobranças ou contratos — diz Luciano Timm, titular da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Entre as empresas mais reclamadas estão no topo da listas as dos setores de telecomunicações e serviços bancários. Timm chama atenção ainda para o fato de que 70% de todas as reclamações recebidas pelos Procons e via o Consumidor.gov.br — portal de intermediação de conflitos da Senacon — são relativas a serviço. Apesar de reconhecer que a relação do consumidor com a prestação de serviço é mais complexa, o secretária avalia que um dos pontos que pode ser melhorado é do atendimento.

— É preciso rever a regulamentação do SAC e criar mecanismos que impulsionem uma melhor resolutibilidade do atendimento. Não adianta atender em um minuto e não resolver o problema do consumidor.

Ele chama atenção ainda para o fato de, pela primeira vez, o compartilhamento de dados aparecer entre os relatos feitos pelos consumidores.

— As pessoas começaram a se dar conta ao receber a ligação de uma empresa com a qual nunca manteve contato, isso quer dizer que seus dados foram compartilhados. A divulgação de casos internacionais e promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados colaboraram para o aumento dessa percepção do consumidor — avalia.

 

 

Fontes de Notícias :