SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Governador do Rio sonha com Planalto e tenta se descolar de Bolsonaro

Acalentando o sonho de concorrer ao Palácio do Planalto já em 2022, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), faz um esforço para se descolar da imagem do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Uma amostra desse afastamento está na decisão de tirar a articulação política das mãos do ex-juiz de futebol Gutemberg de Paula Fonseca.

Amigo de Bolsonaro e indicado pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para a Secretaria de Governo do Estado, Gutemberg deverá ser substituído pelo atual chefe de gabinete de Witzel, Cleiton Rodrigues, que é ligado ao ex-governador Anthony Garotinho (PRP).

O descolamento também ficou evidenciado nas articulações que levaram, no mês passado, à eleição do petista André Ceciliano à presidência da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

Juiz federal até março de 2018 e praticamente desconhecido no começo da campanha, Witzel foi eleito com discurso semelhante ao de Bolsonaro, especialmente de linha dura na segurança.

Defendeu abertamente que policiais tenham autorização para matar qualquer pessoa que portasse um fuzil, ainda que não posicionado para atirar –prática que chamou de "abate".

Contou com forte apoio de Flávio Bolsonaro e conquistou no segundo turno 59,87% dos votos válidos.

Ao anunciar o nome do ex-juiz de futebol Gutemberg de Paula Fonseca para integrar seu governo, Witzel enfatizou seus vínculos: "Gutemberg conhece muito bem a família Bolsonaro. Ele está apto a fazer essa arbitragem no campo político também".

Prestes a assumir a tarefa de articulador político do governo do Rio, Cleiton foi coordenador das campanhas de Garotinho nas eleições de 2014 e 2018.

Witzel chegou a convidar o deputado federal Wladimir Garotinho (PRP), filho de Anthony Garotinho, a se filiar ao PSC. Wladimir conta ter sido convidado por Witzel já durante a montagem de seu governo. Mas, após reavaliarem o cenário político, Wladimir se filiou ao PSD.

"Na verdade foi melhor assim, para ampliar as perspectivas. Mas tudo foi feito em diálogo com as mesmas pessoas desde o início das tratativas do PSC", diz Wladimir.

Segundo deputados, Cleiton já assumiu, informalmente, a articulação na costura do acordo que garantiu a eleição de um petista à presidência da Alerj.

Com as bênçãos de Witzel, o líder do governo na Alerj, Márcio Pacheco (PSC), retirou sua candidatura à presidência da Assembleia em apoio à eleição do petista André Ceciliano.

Nesse movimento, 7 dos 12 deputados estaduais do próprio PSL se abstiveram na eleição do presidente da Alerj, facilitando a eleição de Ceciliano por 49 votos a favor, 7 contra e 8 abstenções.

Pelo acordo firmado entre emissários do governador e Ceciliano, o deputado Rodrigo Amorim (PSL) -que é amigo do governador- foi agraciado com a presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

O apoio informal à candidatura de Ceciliano provocou um racha dentro do PSL. Os que votaram contra a eleição do petista reivindicaram o título de legítimos defensores de Jair Bolsonaro.

Não está descartada uma futura migração de deputados eleitos pelo PSL para o PSC de Witzel.

Embora seja do PSC, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República, foi às redes sociais protestar contra a atuação dos deputados do PSL, que é presidido pelo próprio irmão, o senador Flávio Bolsonaro.

"O que leva um deputado estadual do PSL que se elegeu graças a Jair Bolsonaro a se abster na votação da presidência da Alerj tendo uma eleição de chapa única do PT?", publicou Carlos.

Apesar de eleito na onda Bolsonaro e de suas afinidades políticas com ele, Witzel demarca suas diferenças quando, por exemplo, fez críticas às propostas apresentadas pelo presidente durante uma reunião com os governadores.

No dia 20 de janeiro, à saída da reunião com o presidente, Witzel afirmou, sem fazer qualquer promessa de apoio, que seria "muito difícil" aprovar a reforma da Previdência proposta por Bolsonaro.

Além de apontar dificuldades, Witzel já declarou que caberia aos governadores reivindicar ações do governo para a recuperação fiscal dos estados.

Em seu discurso durante a cerimônia de posse do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, na sede da empresa, por exemplo, Witzel deixou claro que brigará pela manutenção de maior repasse de recursos para os estados produtores de petróleo, hoje objeto de briga entre o governo do Rio e a União.

Esse esforço de construção de uma identidade própria requer movimentos cuidadosos, já que o governador de um estado assolado pela crise, como é o caso do Rio, precisa da boa vontade do presidente da República.

Além disso, o futuro político de Witzel depende do sucesso de seu governo. Em conversas, Witzel não esconde o desejo de concorrer à Presidência e tem no presidente do PSC, o pastor Everaldo Dias Pereira, um de seus incentivadores.

O governador do Rio admite, no entanto, que seu projeto fracassará sem resultados concretos à frente do estado -e que teria um longo caminho pela frente.

 

Fontes de Notícias :