SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Funcionalismo do Rio enfrentará longo período de congelamento salarial

O socorro financeiro da União aos estados e municípios impõe o congelamento salarial do funcionalismo de todo o país até o fim de 2021. Em solo fluminense, isso significa que os servidores estaduais enfrentarão longo período de defasagem, já que, hoje, já estão há praticamente seis anos sem reposição.

Com a crise agravada pela pandemia do novo coronavírus, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu que o Congresso incluísse no texto de ajuda aos entes o congelamento das remunerações das categorias municipais, estaduais e federais. O Parlamento, porém, blindou desse impedimento algumas áreas, como saúde, segurança e limpeza urbana.

Dizendo ser um pedido de Guedes, Bolsonaro anunciou o veto a esse trecho do projeto. E nesta quinta-feira pediu o apoio de governadores, para que eles articulem com suas bancadas e evitem a derrubada do veto.

Do total de R$ 60 bilhões que serão liberados pela União, a fatia destinada ao Estado do Rio corresponde a cerca de R$ 2 bilhões, um valor que ajudará a recompor perdas de receitas, mas não a fechar o buraco nas contas. O governo fluminense já admitiu que, sem mais recursos financeiros, haverá problemas para o pagamento da folha salarial a partir de setembro.

Para tentar reverter o quadro financeiro do estado, ao fim da videoconferência com Bolsonaro, o governador Wilson Witzel reafirmou que os recursos destinados ao estado. 

 

O DIA – COLUNA DO SERVIDOR

Fontes de Notícias :