SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Economia do Rio vai voltar a crescer

Add To Any

Precisamos de uma cidade onde seja mais fácil fazer negócios, que esteja antenada com as novas tecnologias e com um equilíbrio fiscal. Esta combinação é benéfica para todos, pois a Economia cresce, gerando mais empregos, melhorando os indicadores sociais e tornando a cidade mais maravilhosa do que ela já é.

A última década foi mais um período perdido da Economia brasileira. Uma forte recessão entre 2014 e 2016, seguido de uma recuperação lenta e gradual no ano seguinte e culminando com a pandemia mundial deixaram o PIB do Brasil estagnado nos últimos dez anos.
O Rio de Janeiro, infelizmente, não ficou de fora desse movimento. Segundo dados do Banco Central, a atividade econômica do estado recuou 0,9% por ano nos últimos quatro anos. Para efeito de comparação, entre 2009 e 2016, houve um crescimento médio de 1,3%. Enquanto não temos indicadores municipais, que serão criados pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação (SMDEIS), podemos usar dados estaduais já que a capital representa quase metade do PIB Fluminense.
A questão fiscal, tão delicada nos níveis federal e estadual, também se reflete no nível municipal. E o principal problema está no lado das despesas. Dentre as 26 capitais estaduais, em 2019, o Rio era a cidade que tinha a maior despesa com pessoal em proporção da receita corrente líquida (79%, contra média de 57,2% das capitais).
São Paulo, que tem a menor taxa, estava em 46,3%. Segundo classificação da Secretaria do Tesouro Nacional, o Rio tem o conceito C em relação à situação fiscal (sendo A o melhor).Em 2016, último ano da gestão passada do prefeito Eduardo Paes, a nota do Rio era melhor do que São Paulo, situação que mudou nos últimos anos. Por isso a importância das reformas fiscais que já foram encaminhadas pelo Executivo Municipal para a Câmara de Vereadores.

Como o secretário Chicão Bulhões sempre diz, “o melhor plano de retomada da Economia e dos empregos é a vacina”. Enquanto isso, existem outras ações em paralelo que podem ajudar nesta recuperação. Uma melhoria do ambiente de negócios, facilitando a vida do empreendedor, como a Lei de Liberdade Econômica (LLE), já foi enviada para a Câmara Municipal, também é fundamental. Estudos preliminares da SMDEIS indicam que a LLE tem o potencial de aumentar o PIB per capita carioca em R$ 4 mil, passando de R$ 54,4 mil para R$ 58,4 mil, e gerar 115 mil empregos no Rio, em dez anos.
Em resumo, precisamos de uma cidade onde seja mais fácil fazer negócios, que esteja antenada com as novas tecnologias e com um equilíbrio fiscal. Esta combinação é benéfica para todos, pois a Economia cresce, gerando mais empregos, melhorando os indicadores sociais e tornando a cidade mais maravilhosa do que ela já é.

Precisamos construir “pontes” até o fim da pandemia, durante o processo de vacinação, como as iniciativas e programas lançados recentemente pela Prefeitura do Rio - Auxílio Empresa Carioca e Crédito Carioca, para empresas, e Auxílio Carioca, para as pessoas. E, simultaneamente, estabelecer bases para que o desenvolvimento econômico do Rio ocorra cada vez mais rápido e de forma sustentável.
O desafio será enorme, mas com esperança de desenvolver, mais ainda, a cidade do Rio de Janeiro!

O DIA – OPINIÃO
Marcel Balassiano -  Subsecretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Inovação

Fontes de Notícias :