SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

De Fernandes a Gutemberg

O governador eleito Wilson Witzel (PSC) convidou Pedro Fernandes para ser seu secretário de Governo, mas já desconvidou. Houve resistência de partidos como o PSL ao nome de Fernandes, e Witzel decidiu dar preferência à legenda de Bolsonaro. O PSL e o ex-juiz caminharam juntos desde o primeiro turno, enquanto Fernandes lançou candidatura própria (à época pelo PDT) e apoiou o ex-juiz no decorrer do segundo turno.
Além de priorizar o quesito antiguidade, Witzel também avaliou a governabilidade. Afinal, o PSL terá a maior bancada da Assembleia Legislativa na próxima legislatura, com 13 deputados. Agora, o cotado para a secretaria de Governo é Gutemberg de Paula Fonseca, que atuou no marketing digital das campanhas de políticos do PSL e do próprio Witzel.

A bola da vez
Gutemberg depende de um fator para assumir o posto: ser o nome de consenso do PSL. Frisando se tratar de uma opinião individual, um político do partido de Bolsonaro vê o nome de Gutemberg com bons olhos: "Ele foi decisivo para alavancar a candidatura do Witzel na reta final do primeiro turno. Além disso, já tem bom trânsito com importantes nomes do PSL."

Foco
Outro nome lembrado para a secretaria de Governo, que cuida da articulação política, foi o do vice-governador eleito Cláudio Castro (PSC). Mas o hoje vereador tem dito que prefere não acumular a vice-governadoria com nenhuma pasta.

Porta aberta
A Pedro Fernandes, permaneceu o convite de Witzel para participar do governo, embora a dupla ainda não tenha batido o martelo sobre a futura função.

Trato com a oposição
Segundo deputado mais votado da Assembleia Legislativa nesta eleição, com 110 mil votos, Márcio Canella (MDB) defende a permanência de André Ceciliano (PT) na presidência da Alerj: "Ele assumiu o Parlamento no meio da crise e soube conduzir bem a Casa com todos os partidos, até mesmo com os da oposição."

Chute na canela
Indagado sobre André Corrêa (DEM), adversário de Ceciliano no pleito, Canella respondeu: "Ele é individualista. Apesar de ter espaço no governo (a Secretaria de Estado do Ambiente), nunca vi atender a deputado nenhum."

Sem ponto facultativo
Tem muito servidor do estado planejando um megaferiadão entre a quinta-feira do dia 15, Proclamação da República, e a terça-feira do dia 20, Dia da Consciência Negra. Mas... na-na-ni-na-não. O governador Pezão (MDB) decidiu, em reunião com o secretariado, não decretar ponto facultativo na sexta (16) e na segunda (19).

Segue
Os principais objetivos de Pezão são não interromper o calendário escolar e nem a transição de governo.

O DIA - COLUNA INFORME DO DIA

Fontes de Notícias :