SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Comissão aprova parecer a 589 emendas ao projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2021

A Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta terça-feira (23/06) parecer favorável a 589 emendas apresentadas ao projeto de lei 2.397/20, de autoria do Executivo e que estabelece as diretrizes para a elaboração do Orçamento do estado para 2021. Isso representa 70% das 836 emendas apresentadas pelos deputados. Além disso, 18 emendas foram aprovadas com subemendas, 225 rejeitadas e três rejeitadas por prejudicabilidade.

As emendas aprovadas pela comissão serão integradas ao texto enviado pelo Governo do Estado, que será submetido à votação em plenário. Em seguida, o texto será publicado no Diário Oficial. Os deputados Rodrigo Amorim (PSL), Eliomar Coelho (PSol), Renan Ferreirinha (PSB), Rodrigo Bacellar (SD), Márcio Pacheco (PSC) e Luiz Paulo (PSDB) participaram da votação.

"Essa é uma matéria orientadora, que teve como objetivo ajustar a LDO a um momento de grave crise fiscal levando em conta uma pandemia no Rio de Janeiro. Realizamos um procedimento protocolar e constitucional para que o governo possa, em cima dessas diretrizes, confeccionar a peça que é a mais importante de todas, que é o Orçamento", explicou o presidente da comissão, deputado Márcio Canella (MDB).

De acordo com o texto, a Receita Líquida para 2021 está estimada em R$ 53,8 bilhões e a despesa, em R$ 81,1 bilhões. Na justificativa do projeto, o Executivo pontuou que o próximo ano será difícil para o estado e que levou em consideração os efeitos da crise decorrente da pandemia da covid-19, que agravam a atual situação do estado, ao elaborar a proposta. Além da queda na arrecadação, a Fazenda levou em conta ainda a não prorrogação do Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

"Essa é a LDO mais estranha que eu já presenciei. Ela foi baseada em um ano atípico e pandêmico. Cada vez que se faz uma projeção do PIB maior é queda. Já sabemos hoje que vamos ter uma queda de 6% no Produto Interno Bruto, podendo chegar a uma redução na ordem de 8%. Com isso, é fácil afirmar que essa LDO dificilmente poderá sustentar com segurança a LOA de 2021, que provavelmente sofrerá profundas modificações. No entanto, ainda prefiro uma LDO ruim do que nenhuma", afirmou o presidente da comissão de Tributação, deputado Luiz Paulo, que votou favorável ao texto, mas com ressalvas.

Fontes de Notícias :