SINDICATO DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ÁREA RESTRITA

|

Após dar lugar a Witzel, Dornelles tira férias e, em definitivo, diz: 'Vambora, Ademário!'

O ex-governador Francisco Dornelles, de 83 anos, passou nesta quarta-feira a faixa governamental para Wilson Witzel e pretende tirar férias por dois meses. Do Palácio Guanabara, levará as lembranças de um tempo difícil, de crise, e, também... o motorista Ademário, que, a partir de agora, trabalhará em caráter particular para Dornelles. Funcionário do político há mais de 30 anos, Ademário Gonçalves dos Santos ficou famoso na internet em junho de 2016. Na ocasião, Dornelles comandava o estado durante tratamento de câncer de Luiz Fernando Pezão e, ao ser pressionado por jornalistas atrás de notícias, deu uma ordem para o motorista que virou bordão e ganhou ares de piada nas redes sociais: “ Vambora, Ademário!”.

No banco do carona de seu carro, Dornelles era insistentemente interpelado por repórteres sobre o estado de calamidade, cujo decreto havia sido assinado por ele dias antes. Foi salvo dos questionamentos por Ademário, que arrancou com o veículo.

Em conversa com O GLOBO, Dornelles se lembrou da história com bom humor e disse que Ademário continuará sendo seu fiel escudeiro. O motorista estava lotado em cargo comissionado na vice-governadoria.

O veterano da política fluminense também garantiu que não se vê mais disputando um cargo eletivo. E brincou, dizendo que tem um “encontro marcado com a preguiça”.

— Depois das férias, as atividades politicas eu vou transferindo para outras pessoas mais novas que queiram aparecer. Não vou mais disputar eleição — assegurou, mas nada falou sobre atuar nos bastidores, por onde sempre transitou com muita desenvoltura.

Fiel a Pezão, Dornelles citou quarta-feira, durante a transmissão do cargo, o ex-governador, que está preso, denunciado por desvios de R$ 39 milhões, em operação que foi desdobramento da Lava-Jato:

—O Rio viveu nos últimos anos uma crise sem precedentes, com queda de arrecadação, com receitas sequestradas com frequência pela União credora. A tecnocracia federal dava mais importância aos números que às vidas das pessoas. O governador Pezão, com a paciência e o esforço do Rodrigo Maia e do presidente Michel Temer, conseguiu assinar o Regime de Recuperação Fiscal.

Fontes de Notícias :